sexta-feira, 26 de setembro de 2014

RESSUREIÇÃO


Quantos sãos os dedos
Que apertam os instintos crispados?
Quanto é o tributo de te amar eternamente
Onde fica esse teu ninho de sonhos acabados?

Esculpi a minha revolta numa pedra imóvel
Já foste enorme como um sonho longo
Agora és apenas uma ave parda, sem voo
Eu serei, sou gaivota, alma, sonho

Depositei flores num altar imaculado
Rezei sete rezas para embarcares na saudade
Pedi aos deuses que a tua cabeça se iluminasse
Pedi ao Mar que me devolvesse a verdade

Encontrei uma boia num poço de silêncio
Está por pintar a obra da minha vida
Estará no acaso, com 7 traços e uma linha reta
Arranja-me um sorriso, apenas um e ficará completa

O meu passado será sempre o que eu quiser
O meu futuro, uma viagem, um desconhecido nascimento
Nunca houve movimentos suspeitos dentro de mim
Nunca serei derrotado, não há perdão para o justo, nem fim

Sou um homem sem fome, nem frio
Apunhalado pela vil estupidez
Sou isto mesmo, pão, vinho, sonho, amor
Sou barro moldado que um deus fez

Uma pedra nasceu aos meus olhos
Há sonhos que são feitos para torturar
Dormi com os anjos de água da manhã passada
Perguntei por ti, não me disseram nada

Saí do corpo, tem sido constante
Deixei o corpo preso a esta terra fatal
Senti a liberdade, como é tonta a mesquinhez
Não quis voltar, estava tão bem, voltei para o mal

Olhei á minha sombria volta
Era o mesmo Mundo de gente sem coração
Sempre que me separo do corpo e viajo
Sinto que aconteceu uma...RESSURREIÇÃO...

3 comentários:

Célia Rangel disse...

Uma vida em torno de si mesmo perfaz a grande ressurreição do corpo e da alma! Uma rota perfeita de acontecimentos...
Abraço.

luar perdido disse...

Podemos sair de nós, voltar a nós, olhar em volta e ver apenas lagoas envoltas em neblinas,garras negras de lava intemporal. Podemos morrer e nascer, ou renascer, podemos morder o silencio dolorosa da perda, ou apertar nos dedos a alegria tonta e efémera... Mas será sempre uma ressurreição cada aurora que nos beijar o rosto e cada gota de lua que nos acariciar os cabelos.
Como sempre um poema repleto de ti.
beijo de luar

lua prateada disse...

Sempre perfeito em palavras lindas....obrigada pela leitura...
Abraço
Cidália