quarta-feira, 29 de julho de 2015

CARTA


Escrevo-te esta carta como quem me vê chegar
Pareço uma ave quando ainda é primavera
Há poemas que crescem sozinhos
Compreendi que é preciso sorrir, correr outros caminhos

Há coisas de outrora vivas sem nome
Se viesses por aqui partindo não importa donde
Vou esperar-te a qualquer hora em qualquer estação
Há milhares de sentimentos vivos neste pobre coração

Queres comungar comigo a calmaria do Mar?
Guardar com os olhos o azul do celeste
Amansar num abraço a fúria do vento
Amar com amor um sublime momento?

Recordo as fontes onde já bebi
Há tantos países por conquistar
Poemas, tantos por escrever
Eu apenas te quero sentir, ver...

E apenas vou renascendo devagar
Tocando os poros da terra rubra
Sabes, não há muito mais porque morrer
Sigo os teus passos na areia a tua delicada sombra

Conheço os caminhos brilhantes da alegria
Já percorri as ruas imaginárias da memória
Já fui barco à deriva em mar bravio
Já venci a irreverência das águas de um rio

Vou decompor a solidão
Subir uma colina desatenta da ilha contigo
Vou voar nos olhos de um milhafre
Quero ser amante, amor, amigo

Serei o ultimo habitante da tristeza
Corpo solene de paixão por decidir
Serei golfinho, baleia no canal
Na viagem vou enganar o partir

Vou sorrir como as aves numa alegria adormecia
Ancorar o meu barco numa baia azul e farta
E como sei que não me irás ler
Decidi, escrever uma...Carta...

sexta-feira, 24 de julho de 2015

COM O SORRISO DA LUA


Recebo-te por causa do amor
Pela candura do teu respirar
Recebo-te no pressentir da tua boca
Por ter encontrado um chegar

Fiz desenhos com sementes em ceara azul
Remendei minhas vestes de linho da pobreza
Vou colher um ramo beijado pelas aves
Vou olhar teus olhos de paixão certeza

Vou partir à procura do chão sonhado
Vou plantar no teu peito um filho de alegria
Vou derramar um pouco do teu infinito pelo Mar
Vou beber pelo vinho do teu seio no aconchegar

Pois, o poeta até sabe escrever amor
Será!? O pateta saberá desenhar um coração?
E mesmo que nem um amigo ou voz pousarem
Acreditem, “tenho um abraço do tamanho da emoção”

Já abri os olhos com as ramelas sorrindo
Já vi mulheres transparentes vestidas de vento
Já bebi vinho e cantei alegrias
E já disse amo em atrapalhado momento

Não me falem do tempo
“Só sei que enquanto amar não morro”
Eu sou uma ilha pequena perdida nas penas de uma gaivota
Sou assim: Espuma do Mar, água e fogo

Mas sei quem és
Há muito que te perdi dentro de mim
Encontrei um Anjo com olhar impossível
No país onde as minhas mãos cresceram e o dia não tem fim

Rainha por um dia
Fonte da minha saciação longe da minha sede
Desmontei meu choro, rasguei o guião de uma peça
Benzi-me e criei este poema e pintei-o numa rua da minha inventada cidade

Não me perguntem porque amo as gaivotas
Porque conto os passos da minha rua
Este poema é para ti
COM O SORRISO DA LUA...

quinta-feira, 23 de julho de 2015

E A SOLIDÃO


Estive comigo em Paris quando morri
Quando atirei docemente um papagaio de papel-de-seda
Estive comigo quando morri
À porta da razão que o perverso fez mentira

Já dormi no cais dos vagabundos coberto de pesadelos
Acordei com as gaivotas gritando o meu nome
Olhei-me na lucidez de um espelho de água
E lavei com sal uma profunda mágoa

Lembro os dias felizes em que fui alguma coisa mais
Por isso vida:
Abre-me as janelas que me fechaste um dia
Vem, cobre-me de névoa e hortênsias sem nostalgia

Uma vez amei um anjo
Escutei nos seus cabelos as ondas
Do Mar ouvi os aplausos de um golfinho
Do alto de uma árvore o canto alegre de um pássaro preso ao ninho

Uma vez amei uma pessoa
Mas sabem, amar nem sempre é coisa boa
Uma vez abri a alma de par em par
Mas sabem, nem sempre as pessoas entendem o amar

Gostava de habitar o reino dos silêncios
Já tive vontade de ficar eternamente abraçado
Gostava de construir uma casa, habitar o tempo e sorrir
Gostava de afogar este pranto, este fado

Pranteei as minhas canções nas madrugadas
Sim é possível escutar as ondas de um coração triste
Sim é possível começar tudo e partir
Às vezes sorrio por saber que o amor nos outros não existe

Deixem lá estar o poeta
Cuspi letras nesta tempestade louca
Deixem lá estar, tenho dores apenas
Que importa, isso é tão coisa pouca

Vagueei na noite pela ilha na procura de nada
Tive mais uma luta feroz com este estranho coração
Vi e falei com todos os anjos que encontrei
Eu...E A Solidão...

terça-feira, 14 de julho de 2015

ADEUS


Escrever um poema é como amar
Esta ilha, rapariga de verde madura
E fico aqui cuidando do azul do Mar
Fico no tempo que me prende a esta pedra fria e dura

Nasci e trouxe as cores
Com elas pintei caminhos de solidão
Nasci na calmaria de abril
Trouxe comigo a palavra, o verbo, contradições mil

Viajei num barco que navegou para longe da minha presença
Fiz uma paragem no país das flores eternas
Descansei num lugar de nome saudade
Imaginei um sitio para construir a minha inventada cidade

Sabem lá vocês o que trago dentro de mim!
Amaldiçoei muitas vezes as horas e os sonhos
Morri na procura dos poentes
Sobrevivi 7 vezes quando me lançaram amargos venenos

Sete vidas, sete paixões
Sete sortes, orações
Sete tempestades e uma contradição
E Tu, sim Tu! Para sempre presa ao meu coração

Poemas, pedras, álcool para a fogar
Um olho aberto, boca amputada
Abraços cavados na água escura
Uma procissão de gente vestida de alma dura

Pelas tardes da memória
Escutei os gemidos do sonho por encontrar
Cá por mim, o Mundo é uma moeda de lata
Cá por mim acho que o amor nem sempre é amar

Cá por mim ficava o resto da vida à tua espera
Nem que fosse sentado num ninho de pardal
Deixava que as estações me trocassem as voltas
E pintava um barco sem vela perdido no canal

Como já deu para ver, endoidei!
Tudo isto porque apanhei Sol a mais na moleira
E porque confundi virtudes e pecados meus
O melhor é acabar já este poema e dizer à pena...Adeus...

sexta-feira, 10 de julho de 2015

LEVIATÃ


Às vezes perco a razão
Espanto as madrugadas
Só a terra parece aperceber-se
Que sou mais uma das almas penadas

Por favor! Por favor...
Ponham-se de pé
Aplaudam o poeta pateta
Por ser o tonto que é

Vai roto, meio nu
Com a alma pregada a água benta
Levo chapéu de vento fraco
Um saco vazio, com Deus um contrato

Comprei três maçãs
Uma mordi sem engano
Outra tinha escrito traição
A ultima quase me parou o coração

Deixem lá o poeta armado em Adão
O mesmo que pintou o nariz de giz
Não teria graça um mundo sem loucos
Eu cá por mim lá vou endoidando aos poucos

O que seria o Mundo sem Mar
Sem o imenso das coisas que vi
O que faria se não mais te pudesse sentir
Sem um caminho que me levasse a ti

Choveram castigos sobre a minha cabeça
Faltou-me a piedade e devoção
Perdi lágrimas na escuridão da incerteza
Já segurei a ternura à palma da mão

Que esperança ainda visto?
Abandonei o Deus das igrejas
Na ilha as hortênsias usam vestidos azuis
Glorifiquei o amor e acabei sempre na companhia da dor

Deixem para lá!
Lá vou eu enfeitando os sonhos
Lá vou trocando ilusões e versos
E carregando esta bruma nos ombros

Deixem lá estar
Vou vestir-me de linho e pobreza amanhã
Para ouvir a palavra amor na tua voz
Nem que seja no meio de um... LEVIATÃ...

terça-feira, 7 de julho de 2015

LAGOA PURPURA


Era o nosso murmúrio das hortênsias
Numa barca navego nos olhos da vida
Na obscuridade de um gemido sou ilha perdida
Na consciência do amanhecer abro os olhos para não ver

Perscruto a voz calada
Amarro as mãos ao desentendimento
Não há nenhum barco pronto para partir
Neste silencio que envolve as paredes, neste cais de medos

É manhã de solidão
Sem sol na alma, sem paixão
Acendo uma candeia à oração
Transborda um cálice parado em meu coração

Não tenho rosto
Este corpo perdeu a voz
Esta ilha abafa a sombra que me ensombra
Entre mim e a saudade há apenas maldade

Nestas pedras onde moram séculos
Este mar sempre girando à volta
Este limite das montanhas separadas do céu
Tenho as mãos cansadas de saudade pelo fechar de uma porta

Conto todas as manhãs o despertar dos pássaros
À minha volta a luz foi sempre insuficiente
E no entanto esta alma persiste na alegria
Por consentir a tristeza vencida serei da terra o primeiro habitante

Nunca medi a longitude da distância
Nunca acreditei no querer sem esperança
Acredito numa mulher imensa dentro de um homem
Esqueço tudo na palavra de Deus...Amém

Todos os dias há um louco que me sorri
Nasci e fui agasalhado pelo vento
Chorei e fui abraçado pela chuva
Amei e num soluço só recordo um momento

Hoje não era dia para abraçar a poesia
Não dormi, vagueei pela ilha numa noite fria e dura
Dei por mim sem saber onde estava no meio da água
Estranhamente mergulhado numa...LAGOA PURPURA...

sexta-feira, 3 de julho de 2015

HOJE, AQUI, ESTA NOITE


Conto os sorrisos de uma alegria adormecida
Sentirei o mar por entre os dedos
Este alento animado pelo teu olhar
Pela emoção disposto, no caminho do teu amar

É tão simples esmagar dias de receios
Longas noites de luar, dias de inquieta oração
Estou cansado da minha ausência
Quero dizer-te tanto, palavras ao teu coração

Esta minha insuportável sede do meu regresso
Vieram de mim as músicas pensadas em ti
Há uma candeia anunciando a minha ternura
Há uma palavra por te dizer que minha alma segura

Este tempo em que não sei dizer por palavras o que sinto
Este tempo em que escuto apenas sorrisos
Este tempo em que quero voar, rezar, amar
Este tempo em que numa lágrima te quis abraçar

Na frieza dos homens benzo-me e crio um poema
Não me perguntem porque ainda consigo amar
Passei a pensar em ti, habitas no meu lado esquerdo do sentir
Quero verte, querer-te, não mais sentir o partir

Quero esquecer o absurdo das coisas
Quero ver crescer as tardes
Quero construir um castelo para defender o amor
Erguer sonhos, construir cidades

Dar os braços à luz do dia
Dormirei no carinho sereno constante
Quero beijar uma folha de papel branco
Com a frase singela: amo-te

Vou plantar em águas mansas flores singelas
Vou deixar de compor a solidão
Vou gritar e rasgar a garganta
Dizer: Deixem voar este imenso coração!

Pensei em ti, escrever-te
Pensar e querer-te é vontade constante
Sentei-me e a poesia tomou forma
HOJE, AQUI, ESTA NOITE