sexta-feira, 24 de junho de 2016

SOBRE O ROSTO


Rente aos olhos a água
Orvalhada manhã sem dor
Rente aos olhos o gume do espinho
Rente à pele o amor, o teu passar

Rente ao homem
Olhos cansados, dedos doridos
Sono infinito, canteiros vazios
Tanta pena, dois palmos do dia um poema

Papel sem palavras
Estou cansado deste inverno
Do trevo sem sorte, das danças macabras
Da demora da morte, das palavras sem sentido

Enquanto o tempo não anda na ilha
Sou o homem mais impuro
Estou cansado das facas nas rochas
Forjando a maldade no negro futuro

Estou cansado dos homens
De dentes cravados ao coração
Estou tão cansado de te abrir os braços ao abraço
De te pedir amor como quem pede pão

Na primavera não há pardais viúvos
Nunca me encobri com o calor da tristeza
Quem sou?
A presença de um nome, rosa deus, a pobreza

Um pintor...
Um ator sem guião nem palco
Um rei de coroa de lata
Um barco sem nome, um pássaro solto

Mas há uma cidade a construir-se dentro de mim
Bela como um jardim abandonado
Com pássaros voando na sombra da palavra
Contigo abraçar-me e dizer a maldade basta!

Hoje quero lembrar quem me amou
Quem me cantou no adormecer do sol posto
Hoje quero apenas lembrar-te cintilante estrela
Com a luz do amor...SOBRE O ROSTO...

segunda-feira, 20 de junho de 2016

AS BESTAS NUNCA APAGARÃO ESTA ALMA


Nesta ilha que há em mim, há uma lava incandescente, nesta terra de brumas e nostalgia, rezamos ao acordar de um novo dia. Amanhamos a terra com as mãos nuas e a força que Deus nos deu. Arrancamos ervas e pedras, misturamos chuva e quimeras e descansamos em cais de esperas. Lançamos sortes ao vento, percorremos a ilha passo a passo com mil sentires, rezando a Nossa Senhora, para que amanse a terra nos seus estertores. Subimos ao alto nos olhos de um Milhafre para ver as lagoas, acolhemos na terra as gaivotas fugidas ás tempestades, iluminamos a noite com a chama viva do óleo da baleia e acordamos todas as manhãs com esperança e alma cheia. Nesta terra, a espera é feita do alto de um monte, de mãos postas e olhos no horizonte. Nesta ilha dividimos o pecado e a razão, o milho e a chama, a vontade tamanha que o vão fazer pão... Nesta ilha que há em mim...

Dedico este texto a duas pessoas: à minha Mãe e à Pessoa que amo

sexta-feira, 17 de junho de 2016

NAS MARGENS DO SILÊNCIO


Este pássaro que habita em mim
Este morrer aos pedaços consciente
Preciso construir a noite
Preciso reencontrar o caminho, somente

A espada dobrou-se no raiar da madrugada
Senti as garras do vento prenderem-me a alma
A maldade habita em pântanos indescortináveis
Terei apenas de erguer o grito do mar para me encontrar

Esta minha carta da vida
Este homem prisioneiro do voo
45 rosas, sorrisos no teu coração
Sabes foi a Mãe do céu, foi pela sua mão

Contigo
Seguirei rumo às constelações etereas sem olhar para trás
Comigo o sacrifício é o nada a morte o ápice
Contigo o infinito é uma linha que a mão de Deus faz

Percorro este caminho intolerante
Contigo presa ao meu destino a cada instante
Na leveza da tua condição de água
Se partir não chorem por mim, não sintam pena, mágoa

Não chorem por este poeta
Farei estremecer de silêncio a luz breve
Não chorem por este homem caído
Esta alma voará de rumo perdido

Não se agradecem rosas
Hoje apeteceu-me escrever sobre pessoas
Seres normais
Hoje cruzou na minha frente o amor, senti tristeza, dor

Sentei-me num banco duro
Enjaulado como devem estar os criminosos
Nunca fiz mal a ninguém
Só sei plantar bondade no mar da saudade

Que Deus me ajude
Tenho os sonhos espalhados pelo chão
Sei que não estou só
...NAS MARGENS DO SILÊNCIO...

sexta-feira, 10 de junho de 2016

SANG REAL


Sei que Jesus não morreu na cruz
Sei que amou num rosto claro de mulher
Sei que nasceu um anjo num dia feliz
Sei que o amor acontece quando o coração quer

Maria Madalena, amor ou pecado?!
Quem sabe...12 – 06 – 1971
Desceram os Arcanos e plantaram uma flor na ilha
As lendas de amor renasceram em maravilha

Sei que neste dia aconteceu um milagre
Estava no mar de África
Uma doce luz afagou-me os olhos
A minha alma elevou-se numa vaga mais alta

Naveguei pela ecoante monotonia do mar
Lancei sortes às vagas
Plantei saudades nos olhos de três crianças
Meu Deus, afasta de mim este cálice de mágoas

Nasci com o poder das nuvens, choro
No estremecer do silêncio da luz breve sem ver
Que recorta as colinas da ilha
Esperando pelo ruído das gaivotas no amanhecer

O amor é um poder que renasce afinal
É o sitio onde as crianças buscam o sonho
Sei que as montanhas se desfazem devagar
Sei que nunca deixarei de te amar

Apenas porque os Anjos não mentem afinal
Nas gritantes palavras de um olhar doce
Um poeta nunca lavra recusas
Sente e respira no o fulgor dos hinos

Se soubesses como sou feliz
Percorrendo a imensidão de uma página inteira
Escrevendo o amor, desenhando o azul, rasgando o verde
Sabes?! Um poema nunca se perde

É sempre a carta do mensageiro
O poeta é um ser que caminha sobre a espuma das paisagens
Como se abrisse uma passagem secreta
Para o universo de palavras simples

Hoje foi assim este poema
Apenas porque senti um dia o nascimento de um anjo afinal
Guiado pelo esplendor dos poentes em decomposição perene
Senti no mundo o...SANG REAL...

sexta-feira, 3 de junho de 2016

ESTRELA DA NOITE


Tenho o sonho de navios
Partindo por aí em viagens sem fim
Tenho o sonho de me amares
Tenho-te tão plena dentro de mim

Tenho os olhos de ultimo sobrevivente
Moro no palácio dos desencantados
Onde por artes mágicas um anjo me vem lembrar
Que devo abrir os braços ao teu chegar

Já sonhei fazer uma peça sem pressa
Por um milhão de razões
Por num palco uma árvore a falar com uma fada
Já sonhei amar-te simplesmente sem querer mais nada

Sentei-me contigo
Como se não houvesse mais nada para dizer
Ergui-me nos teus olhos
Sem saber o que fazer

Disse-te palavras profundas
Pintei-as de oração
Plantei esperanças em teu coração
Coloquei uma rosa breve na palma da tua mão

Meu Deus...
Que vida onde do ar surgem os punhais
O bater de portas
As cinzas da tarde neste coração que arde

Não quero perder-me do amar
Adorar a paisagem da ilha, acariciar a melancolia
Sobrevivo num fogo medonho, num sussurro me chamam
Lanço as sortes à morte, renasço ao nascer do dia

Na ilha
A escuridão é verde
A ilha é uma mulher
A ilha é uma gaivota, o que Deus quiser

Na ilha
“É insuportável passar por ti sem ti”
A ilha é lava, rubro sangue
Tu menina dos caracóis...ESTRELA DA NOITE...

sexta-feira, 27 de maio de 2016

SOB OS CÉUS MAIS INFINITOS


Este homem, esta ilha
Infatigavelmente prostrado no centro dos horizontes
Aguardando a chegada das gaivotas
Procurando o teu sorriso, por ti no abrir de sete portas

Aguardando certamente um momento
A chegada do mensageiro do amor
Para em cada voo erguer o grito do mar
Num crepúsculo lento pintar o amar

Quem sou?
Um habitante das árvores da noite
Quem és?
Uma sinfonia, um pássaro breve

Falemos de pássaros
Como se afinal não importasse mais nada
Falemos de ti
Como se tudo importasse nesta paixão muda

Esta ave cansada
Ruma a norte perdida do sul
Buscando novos pontos cardeais
Desenhando o teu sorriso num céu azul

Recuando até à portas do céu
Avançando prisioneira do voo na mais profunda altura
Desenhando mapas de sombra com a luz às costas
Com a consciência viva e madura

Às vezes preciso acordar o silencio
Neste meu peito, no gesto demorado
Há com certeza uma lamparina acesa
Há uma divindade olhando por mim de qualquer modo

E há quem diga não amar amando
Não acreditar acreditando
Não querer sentir sentindo
Com verdade mentindo

Sabes?!
Já estive no lugar onde as crianças buscam os sonhos
Onde os pássaros nunca hesitam no romper do canto
Sabes?! Já voei contigo...SOB OS CÉUS MAIS INFINITOS...

sexta-feira, 20 de maio de 2016

O ESPAÇO DAS RUAS IMAGINÁRIAS


Há letras que envergonham as canções
Imperturbável não te apercebes
Palavras vazias vomitadas da alma
Então compreendes que és pássaro, voas

Então partes
Como se partisses de vontade
Fugindo ao pesadelo que amanhece
Levando no coração uma prece

Já ouvi passos apagados
Línguas retalhadas
Longos sons que não dobram
Já ouvi o canto das mal amadas

Já ouvi uma criança chorar e chorei
Já ouvi um pedinte pedir amor e amei
Já parti o pão em metades e dei
Já te pedi perdão e a ti perdoei

Já me perdi no mar
Já mandei a raiva calar
Já te disse que te amava
Mesmo ao dizeres que deixaste de me amar

Sabes?!
Talvez seja o canto do surdo
Talvez o sorriso de um mudo
Talvez seja o encanto do louco

Tu sabes!...
Que sou capaz de vencer animais marinhos
Invasores dos suspiros incontroláveis
Também sabes que vivo onde as gaivotas fazem seu ninho

Já pensaste?!
Que uma ilha tem sempre o mar girando em volta
Que o amor só é amor
Quando percorre todos os caminhos da dor

Este sonhador de uma manhã de versos
Com a saudade nas mãos cansadas
Percorre no teu encontro
...O ESPAÇO DAS RUAS IMAGINÁRIAS...