terça-feira, 7 de julho de 2015

LAGOA PURPURA


Era o nosso murmúrio das hortênsias
Numa barca navego nos olhos da vida
Na obscuridade de um gemido sou ilha perdida
Na consciência do amanhecer abro os olhos para não ver

Perscruto a voz calada
Amarro as mãos ao desentendimento
Não há nenhum barco pronto para partir
Neste silencio que envolve as paredes, neste cais de medos

É manhã de solidão
Sem sol na alma, sem paixão
Acendo uma candeia à oração
Transborda um cálice parado em meu coração

Não tenho rosto
Este corpo perdeu a voz
Esta ilha abafa a sombra que me ensombra
Entre mim e a saudade há apenas maldade

Nestas pedras onde moram séculos
Este mar sempre girando à volta
Este limite das montanhas separadas do céu
Tenho as mãos cansadas de saudade pelo fechar de uma porta

Conto todas as manhãs o despertar dos pássaros
À minha volta a luz foi sempre insuficiente
E no entanto esta alma persiste na alegria
Por consentir a tristeza vencida serei da terra o primeiro habitante

Nunca medi a longitude da distância
Nunca acreditei no querer sem esperança
Acredito numa mulher imensa dentro de um homem
Esqueço tudo na palavra de Deus...Amém

Todos os dias há um louco que me sorri
Nasci e fui agasalhado pelo vento
Chorei e fui abraçado pela chuva
Amei e num soluço só recordo um momento

Hoje não era dia para abraçar a poesia
Não dormi, vagueei pela ilha numa noite fria e dura
Dei por mim sem saber onde estava no meio da água
Estranhamente mergulhado numa...LAGOA PURPURA...

sexta-feira, 3 de julho de 2015

HOJE, AQUI, ESTA NOITE


Conto os sorrisos de uma alegria adormecida
Sentirei o mar por entre os dedos
Este alento animado pelo teu olhar
Pela emoção disposto, no caminho do teu amar

É tão simples esmagar dias de receios
Longas noites de luar, dias de inquieta oração
Estou cansado da minha ausência
Quero dizer-te tanto, palavras ao teu coração

Esta minha insuportável sede do meu regresso
Vieram de mim as músicas pensadas em ti
Há uma candeia anunciando a minha ternura
Há uma palavra por te dizer que minha alma segura

Este tempo em que não sei dizer por palavras o que sinto
Este tempo em que escuto apenas sorrisos
Este tempo em que quero voar, rezar, amar
Este tempo em que numa lágrima te quis abraçar

Na frieza dos homens benzo-me e crio um poema
Não me perguntem porque ainda consigo amar
Passei a pensar em ti, habitas no meu lado esquerdo do sentir
Quero verte, querer-te, não mais sentir o partir

Quero esquecer o absurdo das coisas
Quero ver crescer as tardes
Quero construir um castelo para defender o amor
Erguer sonhos, construir cidades

Dar os braços à luz do dia
Dormirei no carinho sereno constante
Quero beijar uma folha de papel branco
Com a frase singela: amo-te

Vou plantar em águas mansas flores singelas
Vou deixar de compor a solidão
Vou gritar e rasgar a garganta
Dizer: Deixem voar este imenso coração!

Pensei em ti, escrever-te
Pensar e querer-te é vontade constante
Sentei-me e a poesia tomou forma
HOJE, AQUI, ESTA NOITE

quarta-feira, 1 de julho de 2015

ESCOLHAM UM SONHO, UM QUALQUER


Esqueçam os nomes das coisas
Oiçam o murmúrio surdo das árvores
Esqueçam a sorte no mar brincando
Na consciência do amanhecer das aves

E cresço como quem devora as coisas
Esta criança nunca soube conter o sorrir
Já vasculhei a sombra da dor no amor
Já plantei saudades e vi a ternura eclodir

Gosto do sabor dos lençóis lavados
Do aroma da claridade da Lua
Gosto de pensar que consigo um dia voar
De ter a certeza do teu amar

E digo verdades mentido
Digo e recolho a palavra amarga
Tinjo de som palavras que não sei dizer
Semeio sentires, brotam plantas de olhos sem ver

Às vezes é quente o silêncio
Corpo sem voz e rosto
Pensamentos correndo descalços
Na lembrança dos teus abraços

Cobres-me com olhares vacilantes
Deitado em mim sonhei com o vale de todos os medos
Às vezes sou pássaro e vejo a terra passar velozmente
Na oração partilho com a Deusa Mãe mil segredos

E como se uma pedra nascesse aos meus olhos
Como se me perdesse num longo sonho
Como se fosse mendigo entre as margens de um destino sem presentes
Como se herói fosse agarrando um punhado de continentes

Pois mesmo assim
Dormirei com um bando de anjos transparentes
E farei a magia que meu coração aprouver
E se quiseram habitar nele...ESCOLHAM UM SONHO, UM QUALQUER

sexta-feira, 26 de junho de 2015

O POENTE AROMA DESTES DIAS


Este vento norte que me causa emoção
Esta imensa sede por sentir a vida
Este deslumbramento pelas cores da música
Esta fé no milagre, numa paixão contida

Como um barco brilhante voei sobre incertos rumos
Cheguei à porta da madrugada
Encontrei-te, trazias os olhos tão quentes
De verdades, esperança de ser amada

Não te adivinhara...
Não pressenti as coisas maiores que a vida me deu
E de repente, num instante tudo acontece
E de repente tudo acontece, aconteceu

Tocaste-me com um sorriso o meu olhar cansado
Caminho todos os dias na ilha, sobre lava arrefecida
Pinto e não sei falar sobre a cor do Mar
Escrevo como náufrago em ilha perdida

Às vezes dou por mim a contar as ondas
Este é o tempo do descanso das gaivotas
Há um silêncio de paixão neste Sol do mês de junho
Há um aroma de pão no fechar de sete portas

Partilho a sorte com a tristeza
Talvez seja um traficante da felicidade
Um pensador de alegres utopias
Não! Apenas alguém que inventou uma insólita cidade

Alguém que chegou como as gaivotas rente às ondas
“Um tonto de meio sorriso com uma flor na mão”
Um contador de conchas adormecidas no areal
Um pintor de letras enfeitiçado pela paixão...

Do sublime que é o viver
Sem medo de voar, sem contar o espaço do morrer
De tempos felizes, de sol, vida e Mar
Senti este Mundo numa manhã ao aqui chegar

E chorei por saber das escolhas que fiz para esta vida
Tenho caminhado, amado, voado, rezado nas tristezas e alegrias
E abençoo este sortilégio de viver
NO POENTE AROMA DESTES DIAS...

segunda-feira, 22 de junho de 2015

CRUZAMOS OLHARES



Vi passar um Anjo ao meio dia
Olhos inquietos perscrutando a voz calada
Vi passar um punhado de amor esperando o despertar
Este herói sem espada desconhece o fim da batalha

Por ti...
Escrevo estas palavras com insistência, todas
Este alento animado de outras tentativas anteriores
Acenando ao desprender de todas as dúvidas

“Estás comigo dentro de mim”
Deixem-me aqui na serenidade da espera
Fecho os olhos e sinto o azul do mar
Abro a alma e acordo no teu amar

Esta terra respira o teu nome
Não o vou soletrar, apetecia-me!
Vou apenas dizer, que me lembra flores de sol e sorrisos
Mas não o apaguei, é um afago...uma saudade

E tudo começou com um poema
E a oferta em ternura no cair da noite
Um abraço, outro e fizemos amor
E dei por mim esfaqueado pela estupidez, em dor

Como um barco que vence rotas novas
Aporto com um saco tiritante de beijos
Há movimentos insuspeitos dentro de mim
Este coração bate e afasta um frio fim

Como homem revolvendo a terra rubra
Vou tributando a tua magnifica existência
Tu sabes para quem escrevo
Tu sabes quem eu quero e desejo!

Tu, apenas tu, sem enganos
É no estio que a minha alma solta a palavra
Entre os lábios e o beijo uma mão interrompendo
Uma noite, uma lágrima, um terrível momento

Uma noite em que cruzamos a ilha
Parei numa jura no local onde apareceu o corpo do meu Pai
Parei na imensidão das horas de luz propositada
E lutei com todos os fantasmas, sem poder fazer mais nada

Tenho no peito o tamanho de uma prisão
Tenho da vida mil pesares
Este foi um poema que me apeteceu escrever
Apenas porque vi um Anjo e...CRUZAMOS OLHARES

sexta-feira, 19 de junho de 2015

PROPOSTA DE AMOR


Nesta alma há o esplendor dos poentes
Há um universo de palavras simples por dizer
Há um espaço imenso que se separou da dor
Há uma campo de hortênsias sussurrando o amor

Neste momento...
Algo exulta a importância da tua existência
Não há lugar para a reinvenção das sombras
Só aguardo pelo nascer da manhã inevitável da tua presença

E vou falando comigo mesmo como fazem os loucos
Enquanto ao meu redor sinto anjos escutantes
E convenço-me de que tudo é possível
E sinto uma força imensa, invisível

Lá fora há agasalhos de luz
O afago da maresia às pedras
Nunca adormeço sem a esperança do amanhecer
Misturando-se com as cinzas da tarde, as mãos, as palavras

Um livro antigo de culpas devorado pelo fogo
Este desejo surdo de poeta vagabundo
Bifurcando o coração deste mal amado
Nas mãos pesadas do desentendimento, perdi-me neste mundo

Uma estátua cansada baixa a cabeça
No aconchego de uma casa vazia uma reza, o terço
É tão simples esmagar esses dias de frias recordações
É tão urgente não atropelar o começo

Que não amanheça o pesadelo
Num murmúrio quero destruir quem compõe a solidão
Quero o espaço com estas mãos, contornando a lembrança do teu rosto
É preciso sorrir para mostrar que estamos vivos ou chorar no sol posto?

Não há rocha que resista á violência da raiva
Só há mar porque acreditamos
Quero erigir um lugar para celebrar a concórdia
Quero pensar numa palavra ou em Deus, num novo dia

E quero o ódio na longitude da distância
Que a Deusa Mãe me dê um sinal, uma flor
Este poema foi escrito sem papel e pena
E não tem nada a ver com uma...PROPOSTA DE AMOR...

segunda-feira, 15 de junho de 2015

LEMBRANÇA COBERTA DE MANHÃS


Há um lago de fogo
Onde as mulheres congeminam feitiços de amor
Embriagadas pela música do vento
Onde para a vida, se confunde a razão e o tempo

Viajo pelas maresias do verde da ilha
Continuo contigo na chama que brilha devagar
“Inventando-te sou feliz, porque te sinto em paixão esplêndida”
Nas ramagens absurdas das sombras sinto o teu chegar

Insano é este tempo que me fala da descrença
De ventos ansiosos percorrendo a lembrança do amor
Este lembrar da loucura a cada segundo
Estes pés agrilhoados ao chão dum frio Mundo

É Verão e ainda sinto o Inverno da ilha
Abandonei a viagem e aprendi a conviver com a solidão
Perdido dentro de mim um sentido
Esta minha insuportável sede de presa paixão

Este homem órfão de um destino certo
Trago em minhas mãos o amargo sabor da cor
Agora reparo, estou cansado da ausência de mim
“Tenho um choro que se propaga por dentro, sem fim”

Cresço no sentir como as manhãs caminhando no dia
Levem-me numa correria louca pelo Mar com se fosse a ultima vez
Não me perguntem porque não desisto de amar
Deixem-me sentir o aroma do teu chegar

Com a boca fechada de sorrisos
Este amanhã do renascer da carne
Com a noite plasmada de sonhos turvos
Com a alma presa, como pássaro com fome

Num altar imaculado plantei uma jura
Num poço de silêncio larguei moedas de tostão
Num gesto ao céu convoquei Guias e Arcanos
Num virar do tempo estendi ao sonho a mão


Abandonarei um ninho sem maçãs maduras e sonhos
Cobrirei com a noite todas as palavras vãs
Tudo isto escrevi neste poema
NUMA LEMBRANÇA COBERTA DE MANHÃS