quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

A COR PÚRPURA


Sou um estranho dentro de mim
Trago as mãos vazias embrulhadas de nostalgia
Tenho um coração mudo, amputado pelo amor
Tenho uma alegria cinzenta como um poema por escrever ao fim do dia

O absurdo das coisas acontece em fúteis manhãs
Faltou a luz para o inicio dos gestos
Esta estrada sem vida engole os meus passos
Dou os braços á noite, prostrado em mil cansaços

O que me resta são estas mãos vivas
O que me acalenta é pensar no fim da viagem
Deixem-me aqui sereno, cuidando do azul do mar, com o olhar
Deixem-me afagar a garganta ferida de gritar...

...Comigo dentro de mim
Deixem-me aqui compondo a solidão
Deixem-me ir para longe da minha distância
Na espera de um barco ou de uma ilusão...

...Entre margens
Segura vontade numa algema de palavras
Cala-se uma gaivota, inverno de dourados presentes
Acordo nas coroadas auroras, morro no cair dos poentes

Escrevo para ti...Sabes que é para ti...
Os nomes não têm cor
São simples diagramas em conflito
Os nomes são muda sinfonia de sonata em desamor

Serei um barco vencendo rotas novas
Aplanarei as rugas de todas as montanhas
Vai arder novamente este sofrido coração
Hoje tive vontade de pintar uma oração

Vou dar um nome a um novo voo
Vou plantar um sonho feliz contigo
Vou lançar um papagaio de seda com a palavra amor
Vou fazer nascer das improváveis razões uma singela flor

Vou deixar que se inunda das cores da esperança
Vou colhê-la e dar-te quando chegar a altura
Saberei o momento certo para tal
Quando ela se vestir da...Cor Púrpura...

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

A ENTREGA DOS SENTIDOS



O dia descobriu-se com o murmúrio surdo das árvores
O badalar majestoso de um sino, desperta um pássaro no ninho
Apagaram-se luzes atormentadas
Para alguns a vida é tanta, outros, um punhado de nadas

Na ilha acontece o esquecimento do Mar brincando
Uma brisa corre rasteira, sussurrante
Pensei, por te amar, seres a consciência do amanhecer
Pensei sentado numa pedra molhada, não te querer ver

Nas escadas de um perverso tempo
Medi o alcance do horizonte, para além do amor
Há sempre o vazio numa esperança imensa
Uma cabeça, prenhe da mentira, não pensa

Gera raivas sobre um amor de lareira apagada
Sandálias gastas, este menino que louva a saudade
Estas mãos em eterna construção
Estou cansado de caminhar, de desenhar o perdão

Para alguns, há uma noite aproximando-se hesitante
Uma rua mesclada de raivas e fogo
Um silêncio súbito assalta-me a lembrança
No aconchego de uma casa fechada, o rezar de um terço, fé, esperança

Talvez seja um vagabundo no canto da rua bebendo a vida
Uma estátua cansada, desaparecida do olhar
Um rosto sem vos, nem corpo
A primeira letra do verbo amar

A água sincera dos olhos
O que seria do azul do Mar sem o beijo do céu
O que será de ti, ancorada nesse atol
Apenas verás todos os dias como morre o Sol

Estarei deitado dentro de mim
Infinitamente com os olhos pregados na vida
Com desgrenhados cabelos de luta, apontar o eterno
São pálidas e vacilantes as rosas do Inverno

Fulgem sonhos neste caminho
Tenho anseios, rumos, quereres escondidos
Este Poema não fala de nada, de ninguém
Foi apenas uma singela...Entrega Dos Sentidos...

sexta-feira, 3 de Outubro de 2014

A SOMBRA DAS ROSAS


Vi uma Gaivota tão quieta a ouvir o Mar
Com sereno nos olhos, colhendo cânticos no silêncio
Com as penas queimadas pela tarde
Há um rumor em meu peito, que sente, que arde

Na vida, vieram ao meu encontro, mágoas e louvores
Estão adormecidas as hortências
Com um profundo rubor carmesim
Há um sufocado grito dentro de mim

Não oiço mais os dias que se foram
Abandonei na cadeira estas vestes sem feitio ou medida
E em fragores acalmei a minha dorida alma
Já te senti , sincera, sem máscara, despida

Perguntei ao vento quem sou, o que faço aqui!?
Respondeu ao eco, és quem és...
Abri os braços ao celeste numa entrega infinita
E sorri sem vontade a esta sorte maldita

Ainda ardem em meu peito as sombras da saudade
Ainda não desisti da minha cidade inventada
Nos castanhos húmidos olhos da memória
Pintei, pintei-te como heroína da minha história

Está calma e doce a noite
Este Setembro passou sem um sorriso feliz
Na noite tudo se perde, vive a sombra o desvario
Que pena, não olhei, terias o rosto sombrio...?!

Pressiono contra a noite os dedos todos
Corro na procura de uma felicidade fugidia
Sairei derrotado pela madrugada
Dói-me o sentir, tenho a alma cansada

Tenho a liberdade de um bicho
E algures por aí á volta, versos num poço de revolta
São passos e pancadas estremecendo numa casa sem portas
É um livro chamado...A Sombra das Rosas...

sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

RESSUREIÇÃO


Quantos sãos os dedos
Que apertam os instintos crispados?
Quanto é o tributo de te amar eternamente
Onde fica esse teu ninho de sonhos acabados?

Esculpi a minha revolta numa pedra imóvel
Já foste enorme como um sonho longo
Agora és apenas uma ave parda, sem voo
Eu serei, sou gaivota, alma, sonho

Depositei flores num altar imaculado
Rezei sete rezas para embarcares na saudade
Pedi aos deuses que a tua cabeça se iluminasse
Pedi ao Mar que me devolvesse a verdade

Encontrei uma boia num poço de silêncio
Está por pintar a obra da minha vida
Estará no acaso, com 7 traços e uma linha reta
Arranja-me um sorriso, apenas um e ficará completa

O meu passado será sempre o que eu quiser
O meu futuro, uma viagem, um desconhecido nascimento
Nunca houve movimentos suspeitos dentro de mim
Nunca serei derrotado, não há perdão para o justo, nem fim

Sou um homem sem fome, nem frio
Apunhalado pela vil estupidez
Sou isto mesmo, pão, vinho, sonho, amor
Sou barro moldado que um deus fez

Uma pedra nasceu aos meus olhos
Há sonhos que são feitos para torturar
Dormi com os anjos de água da manhã passada
Perguntei por ti, não me disseram nada

Saí do corpo, tem sido constante
Deixei o corpo preso a esta terra fatal
Senti a liberdade, como é tonta a mesquinhez
Não quis voltar, estava tão bem, voltei para o mal

Olhei á minha sombria volta
Era o mesmo Mundo de gente sem coração
Sempre que me separo do corpo e viajo
Sinto que aconteceu uma...RESSURREIÇÃO...

sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

AS VALQUIRIAS



No espaço intermédio da paixão
Há nuvens de espesso negro
Há uma gaivota em jaula de sal
Há quem me entenda sem levar a mal

Há um frio nos abismos dos poros mais suaves
Já não sinto o cheiro da alegria
Há mulheres que escondem as mãos por entre o sonho
E há a noite onde repouso lembranças felizes até ser dia

Já risquei o Mundo do meu habitar
Este medo de estar por cansar
Esta solidão baloiçando no infinito
Este desprezo de cada hora, o grito

No espaço provável do amor
Perdi os contornos de um rosto de meigo olhar
Sou uma espécie de criança exigindo um nome
Sou alguém que se perdeu do amar

Há ainda neste peito qualquer coisa
Um punhado de amor esperando o despertar
Ás vezes rio-me de ser infeliz
Hoje a palavra recolheu-se amarga, confundi o partir com chegar

Adormeceram já as hortênsias
Vestidas de suave carmesim
O céu pranteou gotas de azul
Este palácio carbonizado do poema que há em mim

No campo da memória só encontro facas luzindo
Semeei esperanças de silêncio quente
Pela erva molhada se espalharam as contradições
A vida deu-me e tirou-me um presente

Puta da vida!
Tão sem rosto e sem sol
Um trevo de quatro folhas dá azar
Sete ondas, sete marés uma onda para me levar

Para onde...?
Na distancia o silêncio é coisa demorada
Nesta carne há luas e mares a desbravar
Tudo o que se move pode sentir, tudo, nada!?

E depois há as mulheres lindas às vezes
E gente de corpo e almas vazias
De tão cansado esta tarde adormeci
E sonhei com...As Valquirias...

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

ALMA ANTIGA


No êxodo deste dia triste
Aguardo a noite, companheira da solidão
São assim os poetas, tudo sentem na palavra
São assim estes tolos de mole coração

Há um abismo entre mim e as pessoas
Há uma corrente de vento de encontro ao céu
Há um pássaro inesperado que morde o tempo
Há um estúpida viagem de vida sem momento

Uma vez pedi a alguém
Vem comigo como se o Mundo estivesse acabando
Há abismos que se formam nas fronteiras do nosso corpo
E há um cais com um vagabundo já morto

Leva-me contigo gaivota
Como se fosse ave, e ave rara sou
Leva-me contigo para o fim do Mundo
Ou outro Mundo, irei, vou

Lembro-me das invernias, das tempestades
Lembro-me de ser eu ilha, perdida no recorte dos montes
Deixem-me lembrar, lembranças, de manhãs cinzentas
Deixem-me sobrevoar todos os horizontes

Deixem-me em paz!
Deixem-me seguir em frente como não importasse mais nada
O que fazem os pássaros à noite?
Rezam, cantam mudos, como esta alma calada?

Que vida tão repleta de penumbras
É sempre assim quando ao corpo me assalta a dor
Sou uma ave cansada que não ruma a sul nem a norte
Uma sombra sem luz, sem sorte

Talvez seja um colecionador de bátegas de chuva
Um desenhador de sombras com luz às costas
Um rezador de rezas, com velas, sem gente amiga
Qual nada, apenas uma...Alma Antiga...

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

FAÇO-TE UMA PROPOSTA



Na minha vida acontecem coisas impossíveis a cada segundo
Há quem se dobre ao balcão e beba um trago de fel
Inquieto perscruto a voz calada
O teu sorridente olhar é flor que acolhe abelha e dança de mel

Já soltei as mãos pesados do desentendimento
Fui viageiro de viagens, de tormentos
Fui paladino de revoltas e páginas soltas
E aplaudido em mil momentos

São transparentes as horas da chegada
Tenho recolhido olhares amargos
Não precisam encontrar mais o rasto do homem navalhado
As minhas mãos estão sempre em construção, também o coração

Na corrente miúda das ribeiras
Lavei lembranças que me corroem o peito
Quem vence nunca abraça o vencido
Ás vezes chamo Deus, ás vezes ando perdido

Este lembrar de amar a cada segundo
Esta contradição de inquietante pincelada
Gostava de esgotar nos teus lábios a poesia infinita do beijo
Gostava que sentisses a revolta do amar, do querer, desejo

Há sempre um acaso clamando um novo dia
Ás vezes sinto-me como o esforço da fonte que jorra a vida
Não sinto revolta, apenas uma inquietude
Por certo saber que de traição me fizeram, ser inocente

Presente...
Uma caixinha de sonhos te quero dar
Estará cheia de sentidos sentires
Oiçam estúpidas pessoas: “EU SEI AMAR”!

Em paços súbitos de calmaria
Como se o Mundo não soubesse de tudo
Como se eu não conhecesse a caricia serena
Que nos separa da solidão.. me quedo mudo...

Não sou mendigo dos meus desgostos
No meio dos risos surgem os punhais, para vidas acabar
Das minhas mãos apenas a virtude das cores
Oiçam estúpidas pessoas: “EU SEMPRE SOUBE AMAR”!

E para não levar mais longe esta tempestade poética
Vou manobrar este leme da vida para não dar á costa
Deixo-te um olhar que negas-te receber
Ama se amor tiveres, ou...Faço-te Uma Proposta...