sexta-feira, 26 de junho de 2015

O POENTE AROMA DESTES DIAS


Este vento norte que me causa emoção
Esta imensa sede por sentir a vida
Este deslumbramento pelas cores da música
Esta fé no milagre, numa paixão contida

Como um barco brilhante voei sobre incertos rumos
Cheguei à porta da madrugada
Encontrei-te, trazias os olhos tão quentes
De verdades, esperança de ser amada

Não te adivinhara...
Não pressenti as coisas maiores que a vida me deu
E de repente, num instante tudo acontece
E de repente tudo acontece, aconteceu

Tocaste-me com um sorriso o meu olhar cansado
Caminho todos os dias na ilha, sobre lava arrefecida
Pinto e não sei falar sobre a cor do Mar
Escrevo como náufrago em ilha perdida

Às vezes dou por mim a contar as ondas
Este é o tempo do descanso das gaivotas
Há um silêncio de paixão neste Sol do mês de junho
Há um aroma de pão no fechar de sete portas

Partilho a sorte com a tristeza
Talvez seja um traficante da felicidade
Um pensador de alegres utopias
Não! Apenas alguém que inventou uma insólita cidade

Alguém que chegou como as gaivotas rente às ondas
“Um tonto de meio sorriso com uma flor na mão”
Um contador de conchas adormecidas no areal
Um pintor de letras enfeitiçado pela paixão...

Do sublime que é o viver
Sem medo de voar, sem contar o espaço do morrer
De tempos felizes, de sol, vida e Mar
Senti este Mundo numa manhã ao aqui chegar

E chorei por saber das escolhas que fiz para esta vida
Tenho caminhado, amado, voado, rezado nas tristezas e alegrias
E abençoo este sortilégio de viver
NO POENTE AROMA DESTES DIAS...

1 comentário:

António Jesus Batalha disse...

Estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes, mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
Gostei de tudo o que vi e li.
Vim também desejar muita paz,saúde e grandes vitórias.
São os votos do Peregrino E Servo.
Abraço.