terça-feira, 23 de agosto de 2016

A CIDADE DOS ANJOS


Este destino
Acompanha-me com um olhar fremente
Neste desafio de azul rasgando o verde
Entre palavras gritantes de um olhar doce

Este amor
É fulgor dos hinos por cima das bandeiras
Tal como o amar límpido das aves
Na voraz caminhada dos sóis e dos gentios

Na branca imensidão da página inteira
O verso extenso escondido no horizonte
És como a Hóstia Consagrada ao verbo feito altar
“Estende-me uma ponte, ensina-me como te amar”

Estás em mim
“Quando as hortênsias trazem lembranças mais solenes”
No condescender de uma visão romântica
Sem que o paraíso acorde numa formula quântica

Tenho uma casa com o mar na frente
Tenho um jardim de flores sem futuro
Tenho uma vontade tamanha
De derrubar a sombra deste muro

100 anos de solidão...
Sem ti!
100 sombras soltas de ramagens absurdas
Na saudade 100 vezes morri

Há em mim uma rosa coberta de manhãs
Plantada num canteiro infinito
Há um lugar onde mulheres congeminam feitiços
Há no meu peito um surdo grito...

...A chamar o teu nome
Entre os arbustos as flores esperando um dia
Um sorriso breve, teu rosto claro de mulher
Um amanhã no que Deus quiser

Na penumbra dos quotidianos aflitos e possessivos
Sonho no meio de gigantes plantados em espaços
Na espera que me ames para além dos sonhos
Habitas em mim nesta...CIDADE DOS ANJOS...

3 comentários:

Cristina Sousa disse...

Como sempre... doce. Gosto de te ler.
Um Beijo

Nuno Salsa disse...

Bonito!

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Cidade dos anjos, jardim florido,mar...tudo perfeito para encantar-nos com belos poemas.

100 anos?

Beijinho doce