quinta-feira, 22 de junho de 2017

SOMEONE CAN FIND ME SOMEBODY TO LOVE


Não tenho muito lugar
Penso, isto é uma ilha
Sei que sou ilha
Não tenho na partida a cor da nostalgia
Se visse um barco vencer as rotas de solidão
Se visse um passaro vencer rotas novas
Gostava de dar um novo nome a cada voo
Para ti um prato tiritante de beijos
Uma carta onde lavro todos os meus ansejos
Um papagaio de papel de seda
Uma hortênsia no peito suave de uma dama
Na ilha as flores são pingos caídos do céu
O amor e a fé são cobertos por singelo véu
Destaparei teu rosto
Beijarei teus olhos
Dir-te-ei que sei amar com amor
Na singeleza do azul que veste uma flor
Como anjos transparentes
Como um sonho longo navegando contigo
“Não importa encontrar qualquer infinito”
E sem querer pintar uma tela de mágoas
Viverei num ninho sem maçãs e palavras amargas
Levarei ao teu rosto uma caricia sem sede
Pensando numa palavra ou em Deus
Na misterioso fia da cor
Como os pássaros que habitam a noite
Como o gesto de imenso pleno
Sussurrando...Meu amor...

2 comentários:

luar perdido disse...

"Somebody to love"....
Não, Poeta, ninguém te pode encontrar alguém para amares - apenas tu, e só tu - o podes e deves fazer. Todos somos ilhas, todos temos azuis profundos e verdes infinitos no olhar e na alma: basta que os deixemos flutuar, basta que os queiramos encontrar no meio dos destroços que nos perfuram o coração. Estende esse "prato tiritante de beijos", envia essa "carta plena de anseios", de sonhos e desejos. mostra que sabes amar com amor, porque; perdoa, mas sem amor não se ama, quando muito... passa-se pela vida. Não te importes com infinitos. Sabes, eu acho que não existem. Os infinitos são os segundos em que o coração se suspende de sonho, de paz. Infinitos são os suspiros dos anjos e as lágrimas das fadas, infinitos são as asas das borboletas aquecendo ao sol da manhã. Traz a "caricia sem sede", traz a presença sem espera e as mãos que sustentam a própria leveza, e jamais te coíbas, ou receies "Como o gesto de imenso pleno, Sussurrando...Meu amor... ".

Uma caricia de palavras tão doce e suave como o adejar das asas de uma borboleta de luz... LINDO!

Beijo de luar

Célia Rangel disse...

Em nossa ilha, que saibamos abrir espaço para o amor, onde gestos plenos gravitem em torno de nossos sonhos, realizados.
Abraço.