sexta-feira, 12 de julho de 2013

BALADA DA CIDADE TRISTE


Descalço-me frente às tuas vontades
Não tenho céu nem estrela como minha
Sou pedinte que nada pede
Arvore que ao vento cede

Um velho estende a mão ao acaso
A rua adormece vazia
Um metro silho tomba contra a noite do mundo
Um assobiador solta trinados de nostalgia

A quentura dos dias retida na calçada
Um corpo atirado aos sonhos do nada
Um ladrão a cantar o roubo a um coração
Uma pomba tombada por uma pedrada

…E murmura esta alma inquieta
Escrevo para que oiças o que os teus olhos sabem
Este espelho envelheceu na espera do ver
Este sentimento que sente e é semente do ser

Escrevo para que se rompam fráguas e amarras
Se solte o grito silencioso e humilde do amor
Esta criança temerosa já não espera sorte e sentimento
Já não acredita que possa haver um feliz momento

Uma tela…
Um quadro banal torto na parede
Olhos de alegria breve
Este herói sem capa a tremer de medo

Mas medo de quê?!
Quando tens só para ti o escárnio da solidão
Mas medo para quê?
Se já nem voas de tão preso ao chão

Acreditem ao não…
Sei escrever música sem notas saber de pena em riste
Deu-ME hoje para compor uma maluqueira qualquer
Saiu isto, uma…Balada da Cidade Triste…

7 comentários:

Nanda Assis disse...

Poema triste mesmo!!

bjos...

Célia Rangel disse...

Vejo que sua criação "Balada da Cidade Triste" é uma realidade entre muitas outras! Parabéns!
[ ] Célia.

elvira carvalho disse...

Um poema triste e amargo. Um retrato da situação actual do país. Gostei.
Um abraço e um Santo Domingo

Ingrid disse...

triste e de reflexão..
beijo Profeta..
boa semana.

Fa menor disse...

Balada da cidade triste. e bem triste esta nossa cidade/mundo/tempo.

Há que não se render à tristeza!

Bj

@ngel disse...

Meu querido amigo.
Quanto tempo!
Já vao 3 anos que deixei de escrever.
Mas, resolvi aparecer de novo.
:-))))
Tua escrita continua, sublime...
Poema triste sim, mas com vida.
Reflete, o que tantos por ai vivem...


Deixo o meu carinho....4evergotik

Red Angel disse...

E no entanto tristeza e alegria são os opostos da mesmíssima coisa...

Complicado?