domingo, 27 de outubro de 2013

A DAMA DE OUTONO


É Outono e tem, gosto a maresia este vento
Nesta ilha grandes nuvens fazem acabar o Sol
Partem gaivotas rente às ondas do mar
Alguém canta trovas de amor, alguém aprisiona o chorar

Vamos ver se hoje não me embriago de palavras
Sou um pescador nocturno de nostalgias
Há um grande silêncio na minha rebentação
Há um insondável mistério neste coração

Chegou-me o potente cheiro de dias e do tempo
O cheiro a algas, em cabelo de mulher inventada
O nome de mulher tatuado em barco varado
Uma atracção pelas ruas calcetadas, um breve fado

A sempiterna expressão da estátua do Arcanjo
Neste tempo de começar uma caminhada
Descobri um Sol reflectido nas vidraças
Descobri que querer tudo, às vezes é não ter nada

Descobri uma Lua de espada afiada
Uma alma sorridente desencontrada
Descobri à porta de uma madrugada
Que não passo de uma alma ensombrada

Sinto no triste espaço de uma estação que se foi
E todavia meu coração ainda consegue afastar o frio
Há pessoas sentadas num entroncamento eternamente
É eterna a passagem das águas num rio

Há sempre o centro de um palco circular
Há sempre um tempo para marcar o caminhar
Há uma densa nuvem de gaivotas numa praia
Há um sortilégio que me alimenta o sonhar

E há as fachadas impressionantes da virtude
As moradias que morrem devagar, o sonhar no sono
E um barco a repousar na areia dos tempos
Com o nome…A Dama de Outono…

3 comentários:

Valéria Gomes disse...

Encantada com a sensibilidade do poeta!!! Beijos de passarinho!!!

Célia Rangel disse...

Seu romantismo, ainda que nostálgico, sensibiliza e muito ao lermos seu poema! Belo!
Abraço,
Célia.

Ingrid disse...

A intensidade da tua escrita arrebata..
Beijo e boa semana!