quinta-feira, 24 de julho de 2014

ERAS ASSIM



O inquietante de uma planície sem verde
Um velho que estende a mão e coxeia
Na sombra vive a maldade e a contradição
Uma fresta que rasga os olhos ao cego do coração

Não haverá instante teu que me viole o pensamento
O espaço provável onde habitam as gaivotas
Será o Mar ou ardência da pedra?
Será a tua alma um cais vazio de espera?!

Não se esgota em meus lábios a poesia infinita
Tampouco mares azuis, ventos imensos, mares estranhos
Já ouvi muita voz calada de branda fala
Já seduzi o tempo e sonhei sonhos tamanhos

Deixai-me construir a grandeza neste mundo de pobreza
Deixai-me construir castelos nas sombras indecifráveis
Deixai-me rebentar com corredores esquecidos, ter opinião
Deixai-me voar em paz nestes anos de solidão

Mas falemos da/e pobreza
Na entrega dos sentidos fui imenso “foste pobre”
Na generosidade da alma fui grande, imparável
No amar fui pleno e tratado como miserável...

...Enriqueci!
Tal como os pássaros suspirei de penas
Na opacidade dos vossos olhos, apenas sou
Na claridade alma que um Deus confiou

Serenos são os dias da minha espera
Já não descubro nesta ilha a pureza do sentimento
Nunca desistirei de dar cor às minhas obras
Fugirei no longe do pacto das cobras

Fiquemos pois no lugar onde ainda bate um coração
Contemplemos paixões transparentes
Será que para lá do horizonte há apenas silêncio?
Será que a tua pobre razão distorcida mata o que sentes?

Será?
Que todas as histórias têm um infeliz fim
Conheço uma feliz que retratei com todo o meu virtuosismo
Olhei a obra e pensei...ERAS ASSIM...


2 comentários:

luar perdido disse...

Se a obra te trás a resposta; Eras assim. Então é porque o autor da mesma é um mestre nas palavras. Utiliza-as para imortalizar a vida com todo o seu esplendor; o amor, o desamor, a paixão e o engano, o sonho e a realidade, a beleza e a fealdade, o mistério e o encanto da natureza que te rodeia.

Muito teu e muito belo.
Beijo de luar

Tita B. disse...

Há poemas teus que realmente parecem profecias. Eras assim e sim eu acredito, um mestre nas palavras. A pobre razão distorcida, provávelmente não mata o que sente, mas perante a realidade de tanto sentimento exprimido... em vão tantas palavras sem actos onde se segurem. És único na tua arte . Gosto. Continua sempre. Beijinhos