sexta-feira, 1 de agosto de 2014

NEGRO E FOGO


O poder do amor
O sortilégio dos sentimentos
Uma flor que respira
Um sonho, momentos

Inquietos às vezes encontramos o engano
Há um sorriso que já não visita a lareira
Há uma coroa de louro para uma mulher
Quem sabe, quem fala, quem sofre, quem quer?!

Há uma cesta com a fome da loucura
As hortênsias esmorecem em Agosto
Hoje é um dia em que a ilha me aperta o coração
É um tempo de vazio sentir, sol-posto

Este é o tempo exato da brandura das palavras
O tempo de lançar a mão por dentro de um breve sonho
Este é o caminho das sete fontes
Este é um “Ser” altivo e pleno, não bisonho

Este sou eu...!
Este é o tempo em que me elevo à condição de JUSTO
Abortaram todas as raivosas manhas nas pessoas
Em mim irradiou uma fogueira de mil chamas


Um instante de fresca brisa
Violou meu pensamento
As minhas mãos moldam palavras, quero que sorrias
Nesta poesia infinita do beijo

Meus senhores, minhas senhoras
Está servido este dossel de uvas maduras
Há um segredo no fundo de um poço feliz
Tomai bebei, este é o vinho sem agruras

Tomai comei este pão feito de esperança
Nunca serei um fugitivo perdido
Nunca serei um Sol escuro
Nunca guardarei raivas, sei, estou seguro

Nesta amena tarde envolta de misticismo
As minhas palavras nunca serão atiradas contra o silêncio das portas
Solto as mãos ao Mar e rogo
Uma promessa, uma chama...Negro e Fogo...

5 comentários:

Bluuu disse...

Gosto imenso...

Anónimo disse...

Deixo-lhe a ternura das minhas mãos...

https://www.youtube.com/watch?v=tXW792NlW04

Célia Rangel disse...

Intenso o seu poema! Reflexão densa!
Abraço.

Janice Adja disse...

Faz tempo que eu não podia entrar nos blogger que gosto. Palmas!!!!

luar perdido disse...

Um belíssimo poema de profunda reflexão. Essas hortênsias estioladas que pende de um verão feito de maduras uvas e de um xaile a adejar na brisa tardia frente a um mar de azul profundo...As belezas eternas de ilhas mágicas e misteriosas, plenas de negro e fogo.
Beijo doce poeta