sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O CHÃO DOS PÁSSAROS



Eu vi o negro balançar do coração de uma negra ave
Eu vi as esculturas que a chuva traçou na terra
Espreitou-me uma ideia levada da breca
Dar uma coroa de louros a todos os idiotas em santa guerra

Quer-se dizer, a todos os merdas...
Ups... o poeta asneirou!
Vamos adocicar este poema parido azedo
Querem saber?! Há gente demente cheia de medo

Pretos, brancos, cães, cadelas, cobras e melancias
Fidalgos, fidalgas, carapaus e garajaus
Potes partidos, artistas mal paridos
Mulheres desdenhado a careca dos maridos

Mau...Mau...!
Isto não ata nem desata
Que arrozada mais confusa e gasta
Chamaria a isto: nem piza nem pasta

Pois e juro que apenas bebi água
E olhei para trás desconfiado das facas aguçadas
Servi-me mesmo da minha torneira
Não fosse uma criatura bondosa e falsa qualquer fazer alguma asneira

E isto não há maneira de encarreirar
Então comecemos isto à poeta de rima certa:
Era uma vez uma criatura doce como o sal
Que me disse amar e só me fez mal

Era uma vez uma criatura que me jurou amor
Me abraçou na dor
Chorou na ternura de todas as melodias que senti
Era uma vez uma vida que no ficar partiu

Era uma vez um menino que sonhou à janela
Que o Mundo era feito de gente grande, bela, séria
Era uma vez um aprendiz de homem
Que ainda se condói com a miséria

Era uma vez tu
Ave que confusamente promove na minha alma desencontros
Era uma vez um destino que se tornou um desatino
E só para rimar, tudo isto...No Chão dos Pássaros...

1 comentário:

Janice Adja disse...

Era uma vez. . . espero que o final quando um dia acabar seja . . . "e foram felizes para sempre".
Beijos!!