segunda-feira, 11 de agosto de 2014

PRANTO


Manhã submersa de neblinas
A noite teceu seu manto
A água em sua eterna viagem
Cobriu a ilha de pranto

Parti da ilha numa manhã de luz fria
Com um pálido sorriso
Levando na bagagem a nostalgia
No coração a revolta
Nos olhos um ar submisso

A lonjura desenha uma cruel ironia
Cobre o sentimento no vale da distância
Deixou gravada no barro negro
A tua doce lembrança

Quantas luas passaram sobre a tua cabeça
Quantos rebentos de verde no barro nasceram
Quantas palavras ficaram presas à alma
Quantas dores do meu peito irromperam

Será assim na quarta feira
Pela minha palavra algumas centenas de almas subirão
A um cruzeiro no alto de uma falésia de pedra
No alto dirão algo que escrevi, uma oração

Cantores e atores desta terra
Gente que vive sem presunção e espera
Gente que arranca à terra o vinho e o pão
Gente que ora em santa guerra

Sei que a emoção será imensa
Que verei nos olhos das pessoas o espanto
E uma música feita por mim marcará esta peça
Lavrei-a com alma e tem como nome...pranto...



2 comentários:

Paty Carvajal disse...

Escribes tan bello amigo. me invade la emoción.... Un abrazo.

Célia Rangel disse...

No olhar submisso às dores da alma, ainda que em prantos borrifará lágrimas de felicidade! Creia!
Abraços.