sábado, 25 de outubro de 2014

ROMEU E JULIETA



Uma flor respira ao portal
A noite aproxima-se hesitante
Velhos são os trincos da memória
Uma vida fumada á esquina, um instante

Julieta era uma espertalhona donzela
Cada suspiro seu era como o ultimo, definitivo
E no cerne imperceptível do seu branco vestido
Havia um drama de faca e alguidar, morto ou vivo

Há tanta Julieta, branca, preta
Há Falsas raparigas com toque de urtigas
Há meninas rafeiras com a mania de finas
E há uma princesa com alma negra de beleza

E os Romeus, católicos e ateus
Pingando amor, amarrotando cuecas
Hálito a pasta gardól de pincel mol
Heróis, enganados, cornos, patetas

Mas vamos dar ordem a esta poesia
Isto está a ficar uma algraviada
Vamos pois escrever com elegância
E deixar o choradinho da mal-amada

Recolho pois a palavra amarga
Porque este herói desconhece o fim da batalha
Estou escaldado da falsa ternura
Durmo de olhos aberto e um fechado

Já está a descambar outra vez
Isto é mais de comer a rir e o dono atrás a pedir
E se soubessem como estou agradecido por louvar o amor
Sempre que me lembro de tal, estrassalhaço uma flor

Quando a ilha nos aperta
A sede que se sente, melancolia
Este frio dos abismos sem fim
Este lamento solto em mim

Hein, já viram como cá o Poeta também escreve umas metáforas?!
Deixem lá, esta vida uma vezes é puta, outras preta
Hoje deu-me para isso
Por me lembrar de...Romeu e Julieta...

7 comentários:

Célia Rangel disse...

Olhe... um poema para excelentes reflexões da crueza e pobreza da vida... como ela nos apresenta diariamente no quesito amor!
Abraço.

Graça Pires disse...

É bom quando rimos de nós mesmos, das nossas fragilidades...
Abraço.

Victoria disse...

Bello poema que nos invita a la reflexión.Muchas gracias. Mil besos

Victoria disse...

Bello poema que nos invita a la reflexión.Muchas gracias. Mil besos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Não deixa de ser verdade que a vida
d+a para tudo o que escreveu, poeta!
Desejo que esteja bem.
Um abraço
Irene Alves

Ghost e Bindi disse...

Em tudo na vida há do poema, em qualquer amor pode haver tudo isso, ou, ser apenas sublime...eis a busca dos que vivem amando.

Ghost e Bindi

Tita B. disse...

Obrigada pelo seu comentário no meu blog. É sempre bonito ter pedaços de poesia como comentário.

Volte sempre !