sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

ALMA QUIETA AO AMANHECER



Era o tempo das ideias acordadas
Com desespero e esperança correu um ano inteiro
Libertei nas águas infinitas mil quereres
É uma urgência urgente o teu amor, primeiro

Nunca ordenarei sentenças
Lavei as manchas á alma com água e fé corrente
Deixei saudades na areia lavada pelas marés
Encontrei pegadas, pareceram-me teus pés

Confundi ondas com nuvens
No sibilar morno do teu corpo inventei o amor
Que mágoas sentirão os habitantes do poente
Lateja-me o coração perdido na distância da dor

O dia acordou tão pálido como o suspiro de Inverno
Uma ideia galgou em ziguezagues o inatingível
“Dizer-te que serás eternamente o amor”
Dizer-te que sou uma criança sem nome cavalgando o impossível

Ontem abracei uma pessoa...
Ou terei recebido a esperança num abraço?
Hoje acordei com o pio aflito de um pássaro trapalhão
E numa lágrima oprimida e sábiA recolhi um trevo de quatro do chão

Trago numa mão a enxada a outra no coração
Desbravei ingremidades disformes, zangadas
E com o pensamento preso aos olhos viajei
Jamais serei pertença do desespero, água, mãos lavadas

Não escrevo recusas que mais ninguém tem
A palavra, o verbo feito no altar
Moro onde o poema nasce e jamais se perde
Ás vezes fujo para perto, recuso o chegar

Serei uma estátua em pose eterna
Um pássaro a dormir em pétalas frágeis e orvalhadas?
Imagino a fonte do inimaginável belo
Já toquei o a vida em viagens breves nas ondas dos teus cabelos

Atearei as chamas nas noites mais escuras
Já ouvi alguém partir de mim sem saber o que fazer
Já percorri todas as viagens inventadas
Esta ...ALMA QUIETA AO AMANHECER...

2 comentários:

Ana Bailune disse...

Poesia assim faz a gente chorar. Ah, essa música de fundo!...

Cidália Oliveira disse...

Depois de algum tempo distante, vim ver as novidades... Um livro e tudo... Que bem :) beijinhos