sexta-feira, 6 de maio de 2016

O GUARDADOR DE ILUSÕES


Este vazio da voz imensa
Este poeta com os lábios tortos de pedir esmola
Este pássaro perdido do ninho
Este homem entre o abismo e o sonho

Este pedir, este sentir
Este mudar o suor de todas as coisas
“Sei que me amas”, sei...
Li nos teus olhos, onde não mora a palavra amei

Vou escrever-te a vida toda
Nem que a mão me doa
E mesmo que os papéis não te encontrem
Nunca terão palavras enrugadas, à toa

Sabes?!
Sou um vencedor que abraça o vencido
Sabes?!
Já te disse verdades mentindo

Já plantei flores no teu caminho
Sou mudo com a voz devastada no coração
Já te olhei mil vezes com encanto
Já acordei em ti com terno espanto

Saberás pois
Que há poesia infinita num beijo
Que pinto desenhando feições novas no amor
Nas vozes por anunciar

Já descobrimos
Que o choro é uma certeza que não rasga horizontes
Que nunca serei um vagabundo com uma cadela esquiva
Que gritarei sempre “amo-te” do alto de um monte

Que não aceitarei moedas no meu chapéu
Terei sempre uma vitrola com o teu nome
Farei magia no teu passar
Rezarei na noite pelo teu amar

Serei pois mais do que sombra perdida
Nunca o rei das contradições
Fecharei a sete chaves todos os sonhos onde moras
Este... GUARDADOR DE ILUSÕES...

2 comentários:

bea disse...

É bonito este poema de sonhos fechados a sete chaves. Mas a música é uma aurora.

Cidália Oliveira disse...

Talvez sejamos todos guardadores de sonhos e ilusôes... mas o que seria da vida sem eles? E sem nós? os eternos sonhadores...
Beijinhos da Ci