sexta-feira, 3 de junho de 2016

ESTRELA DA NOITE


Tenho o sonho de navios
Partindo por aí em viagens sem fim
Tenho o sonho de me amares
Tenho-te tão plena dentro de mim

Tenho os olhos de ultimo sobrevivente
Moro no palácio dos desencantados
Onde por artes mágicas um anjo me vem lembrar
Que devo abrir os braços ao teu chegar

Já sonhei fazer uma peça sem pressa
Por um milhão de razões
Por num palco uma árvore a falar com uma fada
Já sonhei amar-te simplesmente sem querer mais nada

Sentei-me contigo
Como se não houvesse mais nada para dizer
Ergui-me nos teus olhos
Sem saber o que fazer

Disse-te palavras profundas
Pintei-as de oração
Plantei esperanças em teu coração
Coloquei uma rosa breve na palma da tua mão

Meu Deus...
Que vida onde do ar surgem os punhais
O bater de portas
As cinzas da tarde neste coração que arde

Não quero perder-me do amar
Adorar a paisagem da ilha, acariciar a melancolia
Sobrevivo num fogo medonho, num sussurro me chamam
Lanço as sortes à morte, renasço ao nascer do dia

Na ilha
A escuridão é verde
A ilha é uma mulher
A ilha é uma gaivota, o que Deus quiser

Na ilha
“É insuportável passar por ti sem ti”
A ilha é lava, rubro sangue
Tu menina dos caracóis...ESTRELA DA NOITE...

4 comentários:

luar perdido disse...

Um poema feita de lava, suor, sangue, ventos e gaivotas. Um poema feito de amor profundo como profundas e ricas são as águas azuis que beijam as ilhas. Sim, poeta, essa mesmas ilhas que são gaivotas, que são hortenses e mansas lagoas onde as paixões se afogam e as estrelas secretamente se escondem durante o dia para se elevarem nos céus negros a cada noite.
Que amor prisioneiro mas intenso! Lindo e suave.
Beijo de manso luar

Célia Rangel disse...

Puro encantamento em seu poema. Descreve o amor, a fidelidade, ainda que com resquícios tristes, mas muito marcantes em seres que se amam.
Abraço.

Maria Rodrigues disse...

Lindíssimo poema
Um abraço
Maria

maria claudete ferreira herculano batista disse...

Sabe .. De todos os teus poemas que sempre ensinam ... Este me rendeu e me cativou. Eloquente!