sexta-feira, 2 de setembro de 2016

QUANDO A ALMA SE DEITA NO MAR



A qualquer hora estás dentro de mim
Vejo –te nas ruas coadas de gente
Nos espaços abertos, nas voz calada
No meu âmago que canta o desespero da alma violada

És vento ou um punhal sangrento
O silencio no céu da boca
Não se pode vomitar um vazio indiscritível
Amar sem amor é demanda impossível

Quando a saudade incomoda e morde
Quando as gaivotas fogem do mar
Quando o teu coração se arroxa por querer
Quando um só abraço não chega para te abraçar

Estás em mim
Como se fosse carne de um pião que tivesse eixo e rodasse infinitamente
Com os olhos fora das orbitas
Cabelos em luta premente

Momentos depois amenizas-te e és Lua
Barco navegando suavemente
Os tumultos e a dor não estão contigo
Um poema para um silencio vindo de dentro

A quem desejar explico:
Nunca quis fazer mal a ninguém
À minha volta a luz é insuficiente
Nunca ninguém me amou com a verdade presente

Que sufoco no castanho da penumbra
Sou uma alma persistente da alegria
Das casas pobres, um habitante da tristeza vencida
Corpo solene vibrando no sol da vida

A quem desejar explico:
Aprendi a suportar a dor ao fim do dia
Vou vencendo animais marinhos
Apagando a destruição felina da melancolia

Como sorrio às vezes
Conto as aves do mar numa alegria adormecida
No balanço cansado
Dos navios descascados da cor da rota

Para te amar, beberei o mar
Celebrarei a terra de pés descalços
Sonharei docemente contigo
Quando...QUANDO A ALMA SE DEITA NO MAR...

7 comentários:

Célia Rangel disse...

Belos versos que nos levam a imaginar a alma, o amor e o mar... Sensível!
Abraço.

luar perdido disse...

"Amar sem amor é demanda impossível" Como tens razão poeta das brumas e das lagoas profundas... Não é preciso que a "tua alma se deite no mar" para pores asas nas palavras e aromas nos poemas, para que os barcos, nas águas mansas do porto, tenham sonhos de viagens longínquas e mares por descobrir. Para pintares cascatas e neblinas odorosas como um quadro saído das mãos de um pintor iluminado pelos céus.
Mais um poema lindíssimo.
Beijo de luar

Sonhadora (Rosa Maria) disse...

Boa noite

Ando um pouco afastada dos blogues.Tenho o meu fechado por causa do Plágio. Neste momento estou a ser plagiada (2099 poemas), quase todo o meu blogue, pela página "Pedaços de Mim". eu e centenas de poetas. Como foi desmascarada, agora está a identificar os autores, mas o plágio está lá e como encontrei muitos poemas seus (Profeta), não sei se gostará de estar misturado numa página que está e ser identificada como plágio. Como o conheço virtualmente de há muitos anos, resolvi avisar.
Qualquer pergunta deixo o meu mail: mrbrankinho@gmail.com.
Um beijinho

Sonhadora (Rosa Maria) disse...

Não deixei os links das páginas, que são duas da mesma pessoa e só agora vi que na Palavras e Sentimentos também tem poemas seus e esta também está acusada de plágio.

https://www.facebook.com/Peda%C3%A7os-De-Mim-858162924224671/?fref=ts

https://www.facebook.com/palavraesentimento/?fref=ts

MEU DOCE AMOR disse...

OLÁ:

"A alma é uma coisa que a espada não pode ferir, o fogo não pode destruir, que as águas não podem maltratar, que o vento de meio-dia não pode secar."

Mahabarata(texto Hindu)-Citador

Beijinho doce:)

O Sibarita disse...

É isso meu caro amigo "O Profeta", o amor são palavras, são desejos, são dores, são sonhos, são alegrias, são os amores... Seu belo poema nos faz viajar assim!

oteudoceolhar disse...

...QUANDO A ALMA SE DEITA NO MAR...
Onde já senti isto? Onde já li algo parecido?
Onde e quando poderia eu viver sem o Mar ...
Nada muda, dizem que se transforma...que sabem eles...
Aqui tudo se mantém...
Amei cada silaba, cada palavra, cada nota!
Beijo n´oteudoceolhar *