terça-feira, 30 de agosto de 2011

AS VALQUÍRIAS


O espelho de água de um poço
Reflecte um contorcido sorriso de falsidade
Um melro-negro agita o agoiro
Uma boca solta a palavra nua da verdade

São tão más certas criaturas…
Dou por mim a simular uma curta peça
Para ver se o teu sentir tem maldade
Tua alma explodiu na vingança

És um castelo de cartas…
Um campo de negras areias movediças
Árvore sem fruto ou flor
O pecado vestido do mais puro desamor

Pensar que pensei ter pensado seres pura
Pensei na frieza das pedras de basalto
Sou uma ave que voa na verdade do pensamento
Sou alma que se queda bem lá do alto

Sabes lá tu quem serei…
É tão patético fazer adivinhações
É tão estupidamente estúpido
Navegar na num mar de contradições

Mares de fogo frio, grito derradeiro
Ondas gigantescas de lamento e pranto
Xaile negro que afugenta a saudade
Alma que acolhe a maldade em espanto

Que vida, que diadema de falso ouro
A chuva apareceu agreste
Há tanta coisa que enternece a lembrança
Deste poeta sem ter o que preste

Hoje não digo coisa com coisa
Eu, que adoro semear palavras e colher maravilhas
Até o título deste poema é uma desgraça
Vejam bem…As Valquírias…

12 comentários:

♫*Isa Mar disse...

Eu gostei do título, e todos os poetas tem dias que precisam colocar pra fora os bichos e arrumar a casa.
Gostei do poema também!
Beijos e boa noite pra ti!

Pat. disse...

As Valquírias tem uma história especial.

Adorei imenso o poema... o sentir.

Um Beijo querido.

Marisa Ferreira disse...

Fazem parte da mitologia nórdica, coisa que adoro. =)

beijos*

Ana Luiza Cabral disse...

Nos traz sempre algo. Gostei, muito.
Um beijo, Ana.

lágrima disse...

...na verdade Profeta, afinal o código reside sempre na última estrofe, certo?
mesmo assim é um poema excelente, como sempre.
doce beijo.

celina vasques disse...

Quem serão as "Valquírias" que andam te irritando poeta?
rssss
Como sempre escreves como ninguém...Meus aplausos sempre!
Beijos meus!

S L Sousa Mendes disse...

Pensar que pensei ter pensado seres pura ....

Poema belo, como sempre,que me fez "ouvir" sonhando "A Cavalgada das Valquírias - Richard Wagner"...

Fortes.... poema e música, como só Tu e Wagner sabem "tecer" !!!...

Yohana SanFer disse...

Acho uma riqueza o dom daqueles que conseguem escrever poemas...parabéns e obrigada pelo que enviou em seu comentário no meu texto!

Coruja disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Coruja disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aquarela disse...

"pensar que pensei ter pensado seres pura..." ... ninguem conhece nunca ninguém... o segredo está em nao esperar nada da vida... o segredo está em receber o que ela nos oferece em troca do que vamos construindo ao nosso redor...e em troca do que vamos sonhando também...a vida é uma constante e infindável (re)descoberta.. e o ser humano é o maior de todos os mistérios!

Um poema "vestido do mais puro desamor..." mas com uma misteriosa beleza!

Fanzine Episódio Cultural disse...

Natália Misael Campos, 12 anos, moradora do Bairro Santa Luíza (Machado-MG), é um talento nato. Com muita garra e simplicidade, a primogênita do casal Aline Souza Misael e Ivan da Silva Campos Jr., interpreta com louvor as canções de sua artista favorita: Aline Barros.
Vídeo “Ressuscita-me” (interpretado por Natália)
http://www.youtube.com/watch?v=FVdkaMVm6Rc