sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

MARÉ DE FOGO


Cheguei ao lugar onde se cruzam as palavras
À casa dos desejos que ninguém acreditou
Sentei-me numa cadeira inventada
Aprisionei meu pensamento e aqui estou

Aqui estou no limiar do credo nas pessoas
Na condição de justo vestido de injusto
No rosto uma máscara inventada por alguém
Arrochando ao peito a razão a muito custo

A poesia às vezes sabe-me a porcaria
As palavras a uma estúpida melodia
As convicções a um negro céu em ironia
E tu a uma farsa que me pareceu magia

Quando digo tu, falo de mim, para mim
Nada de confusões nesta indigestão poética
Hoje a musica sabe a desafinanço enlouquecido
Gerado numa alma patética

Pois é, palhaço ou profeta
Escolha lá se faz favor meu senhor
Umas vezes sou o génio cá da rua
Outras um perfeito estupor

Um anátema preso num baú
Um actor mudo que chora de si
Uma comédia de enganos menor
Um ir, voltar, o longe, o aqui

Conheço todos os verdes da ilha
O lado escuro da maravilha
Uma saudade que se perdeu com a idade
Uma aurora que morreu de velha

Conheço também uma história engraçada
De um homem que durante toda a vida não disse nada
Quando morreu não soube onde era o céu
Ficou na ilha como alma penada

De penas pois se vestem certas almas
Uma verdadeiras, outras um logro
Dormitei para aí cerca de um minuto
E acordei nesta…Maré de Fogo…

10 comentários:

MisteriosaMente A.A.A. disse...

Na penumbra... sonhos!...

De contornos pouco claros,
de traços indefinidos...
estados de alma pintados,
ao sabor das emoções
que brotam da alma,
fervilhando
sentimentos antagónicos.

Como definir o que o coração sente,
quando a razão não acompanha o sonho ?!

Beijo duma MisteriosaMente A.A.A.

Célia disse...

No expressar a magia do viver...
Abraço, Célia.

BlueShell disse...

As auroras morrem de velhas quando nos questionamos sobre a nossa identidade: não há que questionar...há que VIVER!

Te abraço, meu bom amigo. BShell

Juliana Matos. disse...

E nessa maré
todos estamos!!!
Lindo mesmo!

um abraço!

Juliana

Hanaé Pais disse...

...Brilhante...

Simone MartinS2 disse...

"...e nesta maré de fogo,
me vi incendiando tudo.
Minha alma presa na poesia,
nao conseguiu terminar a melodia.
As vezes, sou poeta dissimulada,
tambem sei ser criativa.
Busco as minhas inspirações,
nas várias musas de minha vida.
Num cotidiano cheio de mentiras!"
Adorei e acabei por interagir com teu poema, desculpe...rsrs..abraços

Helen De Rose disse...

O poeta jamais deve ser cerceado na sua forma de fazer poesia. Os que desejam isso, deveriam perder os sentidos e não terem mais o direito e/ou dever de ler uma poesia.

Adorei a mensagem dos versos.

Até mais ler...

Helen De Rose.

Daniela disse...

Mais uma vez me fez refletir no poema deixado em meu blog ainda pouco e no seu aqui. É sempre bom vir visitar seu cantinho.
Obrigada pelo carinho.
Ótimo domingo.
Beijo

Tété disse...

Obrigada. Gostei da sua visita e quero dizer-lhe que palhaço ou profeta é sempre um gosto recebê-lo e ouvi-lo.
Grande abraço
Teresa

dilita disse...

Caro Profeta

Gostei,gostei,gostei!!!Da poesia que me deixou. Senti-a como um presente pelo dia de amanhã (46 anos de casamento)(uma montanha de anos).
Admiro a sua arte,vim ver na integra A Maré De Fogo,felicito-o pelo bom gosto e creatividade.
Beijinho,
Dilita