sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

INTERMITÊNCIAS

Caminho dentro da carcaça de um homem
Sou barro mal-parido, consciência cruel
Sou verdade e mentira em guerra eterna
Sou o doce do mel transformado em fel

- Mas quem és tu ó Poeta necromante?
Porque teimas em achar-te o maior da tua rua?
- Sou apenas um deserdado do amor
Sou ninguém que segue por uma estrada nua

- Ninguém!
Já me haviam dito que a tua presunção de mataria
Já se adivinhava que a tua estupidez desse à costa
Uma mesa sem pão, sem vinho, sem estar posta

- Cala-teeeeeeeeeeeeee!!!!!!!!!!!!!!!!
Consciência estúpida e vil
Tenho sede, tenho fome, tenho frio de raiva
Tenho na lembrança os filhos da puta que foram mil

- E tenho o dicionário da merda que diz
“Que filhos da puta é calão”
E tenho, penas tantas, que metem dó
Tenho a minha sombra perdida no meio do chão

- Quero lá saber da tua opinião
Sai da minha alma, deixa-me ser apenas humano meu cabrão
Deixem-me chorar sangue até à última gota
Quero ser excluído da absolvição

- Já quis tudo!
Já naveguei por desertos aos encontrões
Já caí na fundura de sete abismos
E lutei contra moinhos de vento em contradições

- Sei lá por onde andei
Não consigo arrancar da cabeça estas malditas consciências
Será este o rosto da vil loucura?
Ou apenas uma vida com…Intermitências…

14 comentários:

Paty Carvajal disse...

es extraordinario, un grito desesperado, un grito profundo, cierto. Desgarrador y por lo mismo, es una bellísima poesía que deja una secuela perpetua. Un abrazo gran poeta, conocedor de la vida y del dolor!!!

Ingrid disse...

grande dilema de consciência querido Profeta..
beijo e belo final de semana.

Maria disse...

"Funtástico!" =)

Benó disse...

Um poema forte em que a consciencia impera.
Gostei, Profeta.
Tem um bom domingo.

Ana Luiza Cabral disse...

Muito belo!

Maré Viva disse...

A consciência é o carrasco que nos mantém alerta, que não nos deixa dormir o sono dos justos.
Há que respeitá-la, para que não nos atormente.
O teu poema é um grito sentido.

Abraço.

Joanna Catharina disse...

Esteve sendo bastante sincero contigo mesmo =)

Muito bem escrito!

=* beijos

Marco Mangas disse...

Vida louca intermitente, sem dúvida...

Blog bem conseguido.

Continuação de bons devaneios...

Marco Mangas

Anónimo disse...

As intermitências que a vida nos coloca fortalece e ajuda a encarar o futuro. Há que fazer as escolhas certas e dar nos a possibilidade de sermos felizes.

Um beijo
Um beijo


ONG ALERTA disse...

Excelente, abraço Lisette.

Rita disse...

Gostei das palavras profundas
bem escritas e perfeitas
Tenha um domingo feliz
Abraços
Rita!!!!

Liza disse...

Muito lindo... Tenha uma boa semana!

Aquarela disse...

Abraço poético do tamanho do mundo que vive no peito dos poetas, profetas de mundos assim: amor e dor de uma só vez, loucura e lucidez! Vida!

ana

EU disse...

Sempre densos e intensos...Parabéns.

(Li os últimos postados, deixo neste uma breve apreciação.)

Bjinho poético :)