sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

A DIVINA COMÉDIA


As pessoas grandes disseram-me um dia:
Para eu deixar de desenhar sonhos
Para eu deixar de inventar cidades e dor
Para eu deixar de querer pão, rir, chorar e amar

Vieram ao meu encontro guitarras chorosas
Gaivotas cansadas da vastidão do mar
Vieram nuvens de uma saudade infinita
Veio um anjo que me disse: nunca deixes de amar

Por aqui, nesta íngreme falésia de palavras
Sente-se nos olhos a humidade das mãos dos anjos
Talvez eu seja apenas um peregrino no mistério da partida
Ou apenas uma semente que brota na melancolia

Por aqui sente-se o sereno afagar os degraus
Um homem amarrado ao ignavo arder do corpo
Elevando os braços ao destino
Uma aura de segredos felizes anunciar um novo caminho

Nunca se apaga o canto dos pássaros da manhã
Agitando os trovadores da sombra
Este homem arde contra a noite com saudades do mar
Estendendo pétalas alvas no teu caminhar

Vim dali, sabes?!
Vivi numa casa de memórias da tua presença
Viajei no topo do vento, nas anémonas madrugadas
Como dois pássaros que se cruzam sem dizer palavras

O recorte deste Dezembro de descontentamento
O recordar de um doce momento
A tua presença constante em pensamento
Nos cânticos do silencio da cor do mundo

Já desenhei o teu nome numa pedra
Já ensaiei uma peça de quimera
Já percorri a esperança com o coração em guerra
Já andei em frente com a alma em espera

Este poema são palavras para os teus olhos colhendo
Numa casa vazia tão perto agora
Sente os inaudíveis segredos da terra
Neste palco, nesta...A DIVINA COMÉDIA...

5 comentários:

luar perdido disse...

Não há pessoas grandes que possam dizer ao Poeta seja o que for, muito menos trancar-lhe o sonhar: menos ainda dizer-lhe que não pode amar.
A Divina Comédia desta vida é apenas um soluço do tempo: uma asa breve de anjo, ou um olhar perdido de gaivota presa num rochedo de solidão. Abre as portas do mar e rasga janelas no coração castigado de esperar. Nunca o canto dos pássaros da manhã poderão soçobrar. Nem as ondas do mar podem perder a cor e o sabor. Nem o coração de um Profeta pode escolher não amar.

beijo de luar

LuísM Castanheira disse...

com um lápis e um papel tudo é possível...no sonho do poeta.

Célia Rangel disse...

Viver e poetar é divina comédia... Alimenta nosso viver... Sonhos se realizam!
Abraço.

Solange Duarte disse...

Vejo que vc continua inspirado..
Eu, no entanto, estou reativando meu blog, aos poucos..

Um abraço de Sol

Smareis disse...

Estive bastante ausente do blog, mais não poderia deixar que o ano terminasse sem passar aqui pra deixar meu carinho e meus agradecimentos por termos caminhado juntamente pelo menos um pouco durante esse ano de 2016 nessa blogosfera. O meu muito obrigada!
Que o menino Jesus esteja sempre presente na sua vida.
Desejo a você e à sua família um Natal de Luz e um próspero Ano Novo
Repleto de alegrias e bênçãos!
Boas Festas!
Feliz Natal!
Feliz 2017!
Abração!
Blog da Smareis